Registro dos frutos

COMPORTAMENTO

Hitler por um dia

Em reuniões simuladas, estudantes revivem em SP vilões e heróis da história

DIOGO BERCITO
DA REPORTAGEM LOCAL – FOLHA DE S. PAULO

Hitler é negro e Stálin, uma mulher. Ah, e no final da Segunda Guerra Mundial a cidade de Veneza tornou-se socialista e separou-se da Itália.
Essas são informações que você não vai encontrar nos livros de história. Pudera -elas não aconteceram de verdade.
Confuso? É que há um mês um grupo de adolescentes se encontrou em São Paulo para reescrever o passado, participando da Siem (Simulação para o Ensino Médio), evento estudantil que simula reuniões, em versão de mentirinha, que aconteceram há décadas.
Por R$ 120 a inscrição, os participantes passaram quatro dias discutindo temas como o futuro da Europa e o ataque norte-americano à baía dos Porcos. Encarnavam figuras políticas que existiram de verdade -e agiam como tais.
“Quando você entra no personagem, tem que ver coisas horríveis”, conta Joana Perrone, 16, que fez o papel do ditador soviético Stálin. “Li histórias de poloneses morrendo de fome e precisei decidir sacrificar 10 mil pessoas”, relata.
Os mais animados entre os participantes vestem-se a caráter -como Rodrigo Ianhez, 19, segurança de Estado da União Soviética. “Comprei minha farda na Rússia!”, gaba-se.
Em seguida, ao receber uma carta com o posicionamento da Finlândia na Segunda Guerra Mundial, o garoto franze o cenho, encerra a entrevista e se dirige para a sala em que o gabinete soviético está reunido.
Já Felipe Pereira, 18, entrou no clima pintando um bigodinho no rosto e se transformando em um Hitler impiedoso. “Mais um desmando e iremos proceder de maneira diferente neste gabinete!”, grita.
No intervalo para o lanche, porém, o garoto mostra-se gentil e razoável. “Essa simulação é uma oportunidade de ver o que não deve ser repetido”, diz.
A Siem é uma entre diversas simulações de reuniões históricas ou de comitês da ONU que rolam durante todo o ano no Brasil (veja calendário ao lado). O primeiro evento do gênero por aqui foi o Americas Model United Nations, em 1998, na Universidade de Brasília.
Além de brincar de tomar decisões por alguns dias, a garotada cuida também da organização das simulações -sem receber um tostão por isso.
Essa parte do evento fica por conta dos universitários, muitas vezes antigos participantes das simulações.
Um exemplo é Carolina Defino, 20, estudante de economia. A garota foi uma entre os que cuidaram da logística do evento. “Gosto do projeto porque tira o aprendizado do ortodoxo e o traz para o lúdico”, diz.
De tão envolvida nesse tipo de evento, Carolina chegou a ir a Genebra (Suíça) para o encontro de estudantes que participam de simulações ao redor do mundo. A ONU pagou sua acomodação e ela arcou com a passagem aérea.

<http://www1.folha.uol.com.br/fsp/folhatee/fm1210200907.htm>

Publicado em Notícias. 1 Comment »

Conquista!

Depois de muito insistir, acima uma foto da esperada visita ao Colégio Engenheiro Juarez Wanderley. Os alunos foram apresentados ao PoliONU e convidados a participar na edição 2009.

Publicado em Notícias. 4 Comments »

As crianças também gostam de festas

 

Os diretores da UNICEF também aproveitaram a festa! Vieram com roupas coloridas e muita animação!

Mas no fim, todos felizes!

Depois de greves, cansaço, artigos e jornais, todos ficaram felizes e puderam aproveitar o evento, como demonstram as publicações! Não são lindos nossos jornalistas?

Rotina jornalística é dura

As jornalistas do PoliONU 2008, depois de correrem por todos os comitês, decidiram declarar sua própria greve-crise, reinvindicando seus direitos.

E agora, José?

A crise de dez horas acabou, mas ninguém pode negar o fato de ter sido memorável, afinal fizemos a Terceira Guerra Mundial!

No Conselho de Segurança rolaram brigas, discursos enraivecidos, pizzas (em ambos os sentidos), risadas etc. Tudo com muito poder, afinal “ETA ETA ETA, VOCÊ VOTA, A GENTE VETA!”.

Ecochatos com dinheiro!

Calma, calma, são boas pessoas. Um comitê elegante, o Fórum Econômico Mundial discutiu os BRICs e as Energias Alternativas durante o PoliONU 2008.